Indicações de filmes e vídeos

Mulheres Rurais em Movimento

Co-direçao: HéloïsePrévost e MMTR-NE (França-Brasil) Filme participativo sobre o dia-dia de mulheres rurais, militantes do Movimento da Mulher Trabalhadora Rural do Nordeste : as atividades delas, como elas se auto organizam e transformam as relações de gênero e de poder, como elas atuam nos vários espaços produtivos e políticos. lançamento : 11 agosto 2016, Caruaru 46 min.

Filme vencedor da Mostra audiovisual do 13º Congresso Mundos de Mulheres (MM)e Seminário Internacional Fazendo Gênero 11 (FG)

LINK: https://www.youtube.com/watch?v=PQkIWTIyJc4

A Coragem de Ser

Descrição: Filme relata como as mulheres trabalhadoras rurais do nordeste brasileiro na década de 80 , decidiram se organizar e mudar situação de vida e todas as formas de submissão e exclusão social. Organizando o MMTR-NE e tornando-se sujeito político e social.

LINK:https://www.youtube.com/watch?v=eCwuPNMabDo

Campanha Pela Justa Divisão do Trabalho Doméstico

Campanha pela justa divisão do trabalho doméstico que foi uma construção coletiva e o MMTR NE participou da construção e da divulgação.

1,902 likes / 2 talkingaboutthis. O trabalho doméstico e de cuidados é algo que necessita ser tratado...

Link: https://www.facebook.com/peladivisaojustadotrabalhodomestico/

Terra para Rose

TÍTULO DO FILME: TERRA PARA ROSE (Brasil, 1987). Direção: Tetê Moraes. Elenco: Bolívar Anoni, Cerly, Dante de Oliveira, Ema, Marcos Freire, Padre ArnildoFritzen, Luci, Nélson Ribeiro, Rita, Rose, Lucélia Santos, José Sarney. 84 minutos.

O filme Terra para Rose narra a primeira grande ação do MST, em 29 de outubro de 1985. Na ocasião, 1,5 mil famílias ocuparam um latifúndio improdutivo no Rio Grande do Sul, lideradas, entre outros, por Roseli Celeste Nunes da Silva. A diretora do documentário, Tetê Moraes, acompanhou as famílias que ocuparam a fazenda Anoni, e destacou a presença da líder Rose, uma mulher lutando pelo direito de ter seu pedaço de terra e pelos direitos humanos mais elementares. Tetê Moraes assume um olhar feminino para conduzir o filme e concentra as entrevistas, os depoimentos e a transmissão de todo o drama através das mulheres dos camponeses que buscam sua terra. O filme ganhou seis prêmios no Festival de Brasília e dois no Festival de Havana, em Cuba.

Cabra Marcado para Morrer

TÍTULO DO FILME: CABRA MARCADO PARA MORRER (Brasil, 1984). Direção: Eduardo Coutinho. Elenco: Elisabeth Teixeira e família, João Virgínio da Silva e os habitantes de Galiléia (Pernambuco). Narração de Ferreira Gullar, Tite Lemos e Eduardo Coutinho. 120 min., Globo Vídeo.

O documentário é narrado principalmente por Elizabeth Teixeira, viúva de João Pedro Teixeira. João Pedro foi um líder camponês paraibano que lutava por melhores condições de vida para todos os trabalhadores e trabalhadoras rurais. O filme começou a ser feito no início dos anos sessenta, mas teve de ser interrompido por conta do golpe militar de 1964. Dezessete anos depois, o cineasta Eduardo Coutinho conseguiu encontrar Elizabeth Teixeira. Ele a tirou da clandestinidade e a ajudou a revelar seu verdadeiro nome e assumir sua história.O tema principal do filme passa a ser a vida e a memória de cada um dos personagens que, com suas lembranças, retratam o drama de uma família de camponeses durante os longos anos do regime militar.O filme Cabra marcado para morrer recebeu doze prêmios.